Foto DR. PAULO Rodrigues

DR.

PAULO
RODRIGUES

Foto DR. PAULO Rodrigues

DR.

PAULO
RODRIGUES

Doutor em urologia pela faculdade de medicina da USP.

Patologias

divisor

Divertículo Uretral

por Dr Paulo Rodrigues


O Divertículo Uretral não é um diagnóstico frequente. Sendo francamente esquecido como causa de muitas queixas relacionadas à micção.

Ele representa uma saculação externa, frequentemente pequena, do tubo uretral, que pode ser responsável por gotejamento terminal – urinar algumas gotas após terminar o jato urinário; ou ser sede de Infecções Urinárias, que não se curam.


 

Sintomas

Os sintomas mais frequentes desta condição são ardência para urinar (38%), gotejamento urinário após o término do fluxo urinário (31%), urgência para urinar e Infecções Urinárias (60%) que se repetem com regularidade.

Por se tratar de um distúrbio na uretra, não é infrequente que sangue na urina (10%) ou incontinência urinária (49%), também estejam presentes.

Como há infecção e inflamação da uretra, muitas pacientes também se queixam de dor na vagina; ou às relações sexuais (24%), e não infrequentemente corrimentos vaginais repetidos ou de difícil cura, têm como causa de fundo o Divertículo Uretral.

Importante, o tamanho do Divertículo Uretral, não se relaciona com o tipo de sintomas, nem tampouco a sua intensidade, sendo por isto mesmo, frequentemente confundido com outras causas de distúrbios na uretra.

 

 

 

Como o diagnóstico é elusivo, muitas vezes as pacientes são tratadas por anos a fio, de patologias que apresentam queixas urinárias ou abdominais semelhantes; tais como, cistite intersticial, endometriose, vulvodínia, síndrome pélvica, etc; sem haver progresso ou melhora dos sintomas.

 

Fisiopatologia

Não se sabe ao certo porque os Divertículos Uretrais aparecem, mas suspeita-se, que a micção com alta pressão, resultado de uma estenose restritiva ou funcional da uretra, levaria algumas micro-glândulas ao redor da uretra a se inflamarem, levando à infecção secundária. Estas por conseguinte, destruiriam o fino arcabouço, formando saculações mais complexas, que dariam resultado ao Divertículo Uretral.

Alguns estudos relacionam os Divertículos Uretrais ao trauma induzido pelo parto vaginal, que alteraria a estrutura das micro-glândulas (Ganabathi K et cols. Experience with the management of urethral diverticulum in 63 women. J Urol 152: 1445, 1994).

 

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito após criteriosa avaliação e exame físico, que revela um pequeno abaulamento na parede da vagina.

Exame de cistoscopia, toque vaginal, sondagem uretral, e exames de imagem que incluem tomografia, uretrocistografia e/ou ressonância, completam a gama de exames apropriados para a confirmação diagnóstica do Divertículo Uretral.

O estudo urodinâmico ou Vídeo-urodinâmica podem ser necessários para se avaliar a função uretral esfincteriana, pois alguns divertículos podem ser circulares ou em forma de ferradura, no qual o tratamento cirúrgico pode comprometer a função muscular do esfíncter uretral.

Os Divertículos Uretrais podem ter formatos diferentes em relação ao lúmen da uretra, podendo ser saculares, em forma de U ou circunferenciais. Sua apropriada identificação pré-operatória tem capital importância, visto que a cura cirúrgica varia, respectivamente 100%, 75% e 64% (Ko KJ et cols. Surgical Outcomes of Primary and Recurrent Female Urethral Diverticula. Urology. 2017 Jul;105:181-185).

 

Tratamento

O tratamento na quase totalidade dos casos é cirúrgico, e requer a retirada criteriosa e delicada da saculação para-uretral.

 

 

A retirada incautelosa ou inadvertida do “bolsão” de urina pode lesar estruturas nobres envolvidas com a continência urinária.

Fístula urinária também é uma potencial e indesejável complicação cirúrgica, exigindo do cirurgião, treinamento específico, e profundo conhecimento da anatomia local.

Infelizmente, não se conhece com precisão, a história natural desta doença; mas se reconhece que o Divertículo de Uretra é mais sujeito a apresentar câncer no seu interior, e aqueles que decidem não operá-lo devem ser fortemente recomendados a manterem vigilância constante e regular do Divertículo Uretral, visto não haver estudos que preveem sua ocorrência. Embora os métodos de imagem tenham tido extraordinário avanço, com particular destaque para a ressonância magnética; ainda assim, há contradições inaceitáveis de precisão entre os achados cirúrgicos e as observações obtidas com a ressonância, não sendo seguro se descartar neoplasias, a partir dos achados dos métodos de imagem (Chung DE et cols. Urethral diverticula in women: discrepancies between magnetic resonance imaging and surgical findings. J Urol. 2010 Jun;183(6):2265-9).

Novos Divertículos Uretrais podem aparecer, mas são ocorrência rara.

Já a recorrência daquele tratado frequentemente ocorre devido à remoção incompleta, ou dissecção fora dos planos cirúrgicos adequados, e esta observação revela a importância de uma adequada primeira cirurgia, quando os planos cirúrgicos, ainda estão preservados e intocados.

Uma situação incomum e única é a ocorrência de Divertículo Uretral com incontinência urinária. Neste caso particular, o tratamento da incontinência urinária concomitantemente a retirada do Divertículo Uretral é melhor do que a retirada do divertículo, sem a colocação de sling, pois a ocorrência de infecções urinárias (82% x 25%), dor às relações sexuais (64% x 8%) e urgência miccional (56% x 13%) favorecem o tratamento concomitante quando comparado ao tratamento isolado (Greiman A et cols. Outcomes of treatment of stress urinary incontinence associated ith female urethral diverticula: A selective approach. Neurourol Urodyn. 2018 Jan;37(1):478-484).

Outra situação particular resume-se ao tamanho do divertículo ou à sua posição.

Em alguns casos, a retirada da saculação mencionada, resulta num defeito no tubo uretral, que requer um enxerto para tampar o buraco resultante da ressecção do Divertículo Uretral. Neste caso, a melhor opção é a utilização de enxerto de Martius – descrito há mais de 90 anos; permite cobrir o defeito resultante com uma delicada cirurgia de enxerto, que reconstitui a anatomia da uretra. A área doadora é a gordura e o tecido conjuntivo dos grandes lábios. Estudos revelam que apesar da retirada do tecido, os resultados cosméticos e funcionais da cirurgia são excepcionais; o que torna esta técnica tão atrativa, para casos complexos de reconstrução uretral (Petrou SP et cols. Martius Flap Harvest site: Patient self-perceptio. J Urol 5: 2098, 2002).

 

 

 

 

mic Patologias

Clique e navegue pelo artigo

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 7 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 14 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 18 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 21 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 26 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 35 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 41 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 51 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71

Warning: DOMDocument::loadHTML(): Unexpected end tag : span in Entity, line: 55 in /home/storage/9/df/ba/drpaulorodrigues1/public_html/wp-content/themes/drpaulo/single-patologias.php on line 71