Foto DR. PAULO Rodrigues

DR.

PAULO
RODRIGUES

Foto DR. PAULO Rodrigues

DR.

PAULO
RODRIGUES

Doutor em urologia pela faculdade de medicina da USP.

Patologias

divisor

Ejaculação precoce Causa psicológica ou orgânica?

por Dr Paulo Rodrigues

A ejaculação rápida (ou indesejadamente precoce) ficou muitos anos sem ser pesquisada ou tratada, pela falta de entendimento de suas causas.

A verificação de que o uso de bloqueadores serotoninérgicos – SSRI – inibidores de recaptação de serotonina; promoviam retardo na ejaculação durante o ato sexual ou masturbação, revelou de maneira clara que tais distúrbios, até então creditados como tendo origem psicológica; eram na verdade um distúrbio do eixo neuronal-sensitivo.

Antes disto, pacientes com queixas de ejaculação precoce se utilizavam de técnicas psico-analíticas e comportamentais para tratar este distúrbio, mas o entendimento de suas causas e o avançar dos tratamentos modificaram este panorama ao se entender que se trata de um problema neuro-somático, onde o tratamento com drogas tem papel fundamental e efetivo, e que os tratamentos comportamentais-psicológicos ajudam, mas poucas vezes solucionam o problema de forma definitiva e eficaz.

Tida inicialmente como resultado de uma “neurose” de conflitos inconscientes, a ejaculação precoce foi e ainda é tratada com psico-terapias, pouco eficazes.

A visão organicista, tipicamente urológica, referia-se à hipersensibilidade da glande, que levou à tratamentos cirúrgicos diversos, tais como o descobrimento da glande pela retirada da pele que a cobre (“fimose”), ou secção do frênulo, com o intuito de minimizar a fricção do dorso da glande, diminuindo assim secundariamente a excitação da glande no ato sexual.

Como se acreditava que a ejaculação provinha de uma hiper-estimulação peniana, realizou-se também com resultados pífios, a neuropraxia, que consistia em seccionar os nervos na base do pênis, deixando o pênis temporariamente anestesiado, ou melhor dizendo, sem a sensibilidade tátil original. Todas, alternativas pouco ortodoxas ou cientificamente comprovadas, uma vez que estudos da medida da sensibilidade tátil da glande não se mostraram aumentados quando comparados a homens sem ejaculação precoce.

Mais tarde, alguns autores demonstraram que a ejaculação precoce, poderia ser induzida ou aprendida, a partir de manobras de masturbar-parar (“stop & go”), que modificariam o reflexo neuronal original da ejaculação, num espetacular exemplo de neuro-modulação.

Uma vez modificado o reflexo, o padrão ejaculatório, ou até mesmo excitatório, se consolidaria, passando a ser o “novo” jeito daquela pessoa se relacionar sexualmente.

Trata-se de um aprendizado condicionado, isto é, uma vez repetida diversas vezes, este processo passa a ser o “normal”. Um exemplo prático desta observação pode ser entendida na vivência diária das pessoas que aprendem a escrever uma determinada letra. Vamos dizer, a letra E (e, E, ἐ); e passam a escrevê-la sempre da mesma forma; mas se houver necessidade ou vontade; pode-se modificar o jeito de escrever, e após breve período de treino e condicionamento, torna-se o “novo” jeito de escrever, ficando inconsciente personalizado.

Este conceito de modificação comportamental, ou cientificamente dizendo: neuro-modulação, abriu as portas para a aplicação sistemática e médica de medicamentos que modificam as conexões neuronais envolvidas na ejaculação.

Substâncias inibidoras da recaptação de serotonina retardam a velocidade de re-utilização dos mediadores químicos intra-sinápticos, diminuindo a velocidade de condução dos neurônios.

Na ejaculação, os neurônios são recrutados e excitados de maneira crescente com as penetrações vaginais, havendo uma arregimentação cada vez mais numerosa de neurônios envolvidos com a sensibilidade do pênis, que se excitados ao máximo, atingem um ponto de clímax, “explodindo” na emissão do sêmen – orgasmo.

Pessoas com ejaculação precoce apresentam o período de recrutamento neuronal muito acelerado.

Não se sabe se em virtude dos neurônios envolvidos na ejaculação já estarem previamente excitados ou se estes mesmos neurônios aprenderam a se excitar com velocidade mais acelerada, o que em qualquer das circunstâncias leva ao clímax (orgasmo) mais rapidamente.

Como saber se estou com ejaculação precoce?

Ainda que muito comum, quando pesquisados, 75% dos homens com ejaculação precoce disseram que nunca relataram o problema por vergonha ou descrença numa solução para o problema.

O estudo deste distúrbio é bastante complexo, por envolver a intimidade do casal.

Entretanto, para rigor científico, as medidas precisam ser exatas, e não sujeitas à impressões.

Assim um dos métodos que se utiliza para estudo de casos, baseia-se na marcação em relógio do tempo que o homem leva para ejacular após fazer a penetração vaginal. Este método demonstrou que 80% dos homens com queixa de ejaculação precoce, ejaculam com menos de 30 segundos da penetração vaginal, mostrando que ao contrário do que se imaginava, o distúrbio de ejaculação está marcantemente acelerado, e que não se trata de um problema de minutos, mas de segundos.

Surpreendentemente, o tempo curto de ejaculação não está relacionado com a idade do paciente, nem tampouco com o tempo de convivência ou namoro com a parceira; mais uma vez revelando que não se trata de uma problema exclusivamente psicológico ou de segurança do relacionamento, mas de um distúrbio cujas razões e raízes ainda não foram claramente entendidas. Mas que tem tratamento!

Mais interessante ainda, o tempo de ejaculação não se correlaciona com o diâmetro do pênis ou grau subjetivo de excitação sexual (emocional ou física), pois as conexões neurológicas envolvidas na ereção, não são as mesmas envolvidas na ejaculação. Assim, embora intimamente conectadas, a ereção pode em casos excepcionais se dissociar da ereção e haver ejaculação, com o pênis flácido, expondo as 2 vias neurológicas, que embora intimamente envolvidas, podem se desconectar no curso da instalação do processo de ejaculação precoce.

 

 

Quando se faz a pergunta:

_Você acha que tem ejaculação rápida?

4 a 39% da população responde sim, revelando que uma parcela importante da população masculina, não está satisfeita com seu tempo de penetração vaginal, tornando a ejaculação precoce, o distúrbio sexual mais comum que a própria impotência sexual.

 

Alguns mitos sobre ejaculação precoce ou rápida.

 

Muitos mitos circundam a sexualidade humana.

No que concerne à ejaculação precoce, os homens acreditam que a ejaculação rápida seja resultado do avançar da idade, mas não há estudos ou comprovações que reforcem esta impressão.

Deve-se ressaltar que a idade acompanha-se de maior dificuldade de permanecer com a ereção plena mais prolongadamente, fazendo com que muitos homens, inconscientemente; acelerem seus padrões de excitação e penetração vaginal, por receio de perder a ereção firme, capaz de permitir a penetração vaginal. Assim, acelerando o ritmo sexual, o ciclo sexual; ou melhor dizendo, a ejaculação torna-se mais precoce, mas sem caracterizar efetivamente uma ejaculação precoce patológica.

Enfatiza-se, que um dos primeiros sinais da impotência sexual que começa a se instalar em cerca de 65% dos casos, é a ejaculação rápida, pelos motivos descritos acima.

Tratamentos

 

Tendo havido um consolidado reconhecimento de que a ejaculação precoce é um distúrbio neuronal, que envolve a alteração dos limiares sensitivos dos nervos e/ou das vias envolvidas na ativação da ejaculação, o uso de medicamentos tornou-se a base para o tratamento desta condição.

Utilizando os já mencionados inibidores de recaptação de serotoninas, atinge-se uma vida sexual plena e agradável em pouco tempo. No entanto, por formarem uma gama muito ampla de medicamentos com diversas especificidades, pode haver efeitos colaterais, que precisam ser monitorados e evitados com o ajuste de dose.

Em paralelo a estes novos conceitos, pessoas com ejaculação precoce precisam ter uma avaliação médica especializada, em virtude de outras patologias poderem estar associadas, ou ser a primeira manifestação de outras doenças, nas quais o uso desta classe de medicamentos, poderá retardar o diagnóstico apropriado.

mic Patologias

Clique e navegue pelo artigo